Bem-vindos ao blog A Mãe Prematura

imagem (300)


Olá, meu nome é Fabiola, sou A Mãe Prematura do Otto, hoje com 1 ano e 1 mês, nascido prematuro de 28 semanas de gestação após complicações por pré-eclâmpsia. Sou jornalista de formação e sempre gostei muito de escrever. 

Criei esse espaço para contar um pouco da nossa história, pois acho que pode ajudar muitas mães de prematurinhos por aí, e também compartilhar minhas experiências no mundo encantador e desafiador da maternidade, trocar ideias e dicas.

Por aqui, vamos falar sobre assuntos como gravidez, enxoval, cuidados com o bebê, meu dia a dia de mãe e muitos outros temas. Também tenho um Instagram, segue lá @amaeprematura, mais um canal onde podemos conversar e trocar ideias.

Viagem com crianças no cenário atual

viagem crianças

Precisei sair de casa nos últimos dias e tenho notado a vida sendo retomada aos poucos. Pessoas nas ruas, comércios reabrindo, enfim.

Percebi também, através das redes sociais, que algumas famílias estão voltando a viajar. E não para a casa de praia ou de campo, mas sim para grandes hotéis no interior, próximos de São Paulo, com fácil acesso em poucas horas de carro.

Hotéis se prepararam, tomaram as devidas providências e adotando novos protocolos rigorosos de limpeza e segurança no que diz respeito ao cuidado com a Covid-19, estão reabrindo.

Utilização de máscaras, distanciamento social, adequação da forma de servir as refeições (os buffets devem ser fechados e um funcionário irá servir os hóspedes, deve haver um distanciamento mínimo de dois metros entre as mesas do restaurante), aumento na frequência da limpeza, álcool em gel disponível nos ambientes, entre outras medidas. Essa é nossa nova realidade – não apenas nos hotéis, mas em todos os outros lugares.

Pelo menos por enquanto, acredito que será um momento de readaptação, e de aprender a fazer o que já estávamos acostumados, mas de outra maneira.

Não acredito que se possa falar em pós-pandemia ainda. Mas sinto que devagar as coisas estão se encaminhando e, de um jeito ou de outro, a vida precisa continuar, a economia precisa girar, enfim. O turismo foi um setor fortemente atingido durante o período de quarentena.

O que você acha desse retorno? O lazer e o contato com a natureza são muito importantes para as crianças, especialmente depois de um longo período de isolamento em casa. Você está preparada para essa retomada? Levaria sua família para um hotel nesse momento ou acha que ainda é cedo? Me conta aqui nos comentários o que você acha!

Troque rotina por rituais

Alguns perfis comportamentais se dão super bem com rotinas, enquanto outros tem muita dificuldade em lidar com elas.

Sou da turma dos que não gostam de rotina e durante muito tempo tive problemas, já que ainda por cima tinha uma crença de que somente pessoas que tinham uma rotina, obtinham sucesso. Além disso, também relacionava rotina com organização.

Gosto de dizer isso, porque sei que tem muita gente que se identifica com essa minha antiga realidade. Hoje eu sei que mais importante do que ter a rotina, são os hábitos que a compõe, já que existem muitas rotinas de hábitos negativos ou incompatíveis com os planos finais. E essas com certeza não levam ao sucesso.

Em um dos treinamentos de desenvolvimento pessoal que fiz, ouvi sobre o assunto de maneira diferente e pude me libertar. Percebi que eu poderia ter rituais, ou seja, hábitos escolhidos e planejados de acordo com os meus planos que não me obrigassem a uma rotina. Então, eles entram no meu planejamento semanal sem horário fixo, mas com os benefícios identificados.

Outra coisa que considero muito eficiente é reavaliar seus hábitos, seus rituais e sua rotina, sempre que perceber que as coisas não tem acontecido como planejou. Pode ser sinal de que alguns deles já não fazem sentido ou que os benefícios não estejam tão claros. Por exemplo, se eu coloco no meu planejamento ler, por pelo menos 10 minutos, todos os dias e não tenho conseguido fazer. Avalio os meus dias e escrevo o porquê eu quero executar essa atividade, o que esse hábito me traz de benefício. Essa clareza vai me motivar a fazer ou então me fazer entender que naquele momento aquilo não é para mim.

É importante ouvir suas necessidades. Pode acontecer de você gostar de acordar um certo horário todos os dias, mas por um período o seu corpo pedir um pouco mais de descanso e tudo bem você modificar no planejamento diário. Isso te ajuda a viver com qualidade e te poupa de picos de irritabilidade e ansiedade.

E então? Você é da turma da rotina ou prefere os rituais e mais flexibilidade?

Lembre-se que a maneira correta de fazer alguma coisa, sempre será aquela que faz sentido para você.

Luz e sucesso!!


Esse texto foi escrito por Flávia Gimenes, empreendedora, terapeuta, leader coach e advogada fundadora da Líder de Si Desenvolvimento e Evolução. Sigam no Instagram @lidersesi.de para acompanhar conteúdos enriquecedores sobre autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e liderança humanizada.

Banco de leite e sua importância para mães e bebês

banco de leite

Para encerrar a série sobre prematuridade, achei interessante falar sobre o banco de leite. Está aí um trabalho lindo e muito importante para a UTI Neonatal, mães e bebês recém-nascidos.

Como o leite materno é de extrema importância para os recém-nascidos, especialmente os prematuros, o banco de leite humano do Hospital São Luiz oferece às mães que estão com seus filhos na UTI apoio para tirar leite, consultoria com enfermeira especializada em amamentação, para as mães que têm dificuldade ou em casos de mastite (uma inflamação nas glândulas mamárias).

Após o nascimento do Otto, fui orientada a ir ao banco de leite no dia seguinte para começar a ordenha. No primeiro dia não saiu nada, no segundo começou a sair um pouquinho e foi aumentando progressivamente. São agendados horários com intervalos de três horas entre uma ordenha e outra. As bombas de tirar leite ajudam muito a mãe que está na rotina de hospital, quando tem que se revezar entre banco de leite e UTI.

Funcionava da seguinte forma: o leite que eu tirava no dia ia para as mamadas do Otto naquele dia até 12 horas depois, que é o prazo de validade do leite cru na geladeira. O restante era congelado e então pasteurizado, passando a ter uma validade de seis meses. Eu também tirava leite em casa e congelava, depois levava para o hospital para ser pasteurizado.

O processo de pasteurização consiste em ferver o leite a uma temperatura específica e depois colocá-lo em água gelada, causando um choque térmico. Esse processo elimina os micro-organismos patogênicos.

Como no comecinho ele mamava muito pouquinho, fui acumulando bastante leite. Quando ele teve alta, trouxe alguns vidros de leite pasteurizado e doei outros. O Hospital São Luiz possui uma parceria com hospitais públicos e todo leite que tem autorização das mães para doação vai para esses hospitais ajudar outras crianças.

Gostaram de saber um pouco mais sobre esse universo? Com esse post eu encerro a série sobre prematuridade. Esses posts vão estar aqui no blog e, sempre que quiser consultar, basta procurar por “prematuridade” na barra de pesquisa.

Deixe seu comentário e compartilhe esse conteúdo com alguém que possa se beneficiar. Vamos ajudar outras mães!

Principais problemas de saúde e desenvolvimento em bebês prematuros

problemas prematuros

No mundo inteiro, nascem, anualmente, 15 milhões de bebês prematuros, de acordo com Organização Mundial de Saúde. No Brasil, os prematuros extremos (com menos de 1.5kg e nascidos antes de 30 semanas de gestação), como foi o caso do Otto, representam 1,5% dos nascidos vivos.

Como já falamos em posts anteriores, por ter saído da barriga antes do previsto, os bebês prematuros podem desenvolver uma série de problemas causados pela imaturidade dos órgãos no momento do nascimento.

Quanto menor a idade gestacional, mais grave pode ser a situação do bebê. Quando estava internada, com Otto prestes a nascer, me lembro de uma médica que me atendeu durante exame de acompanhamento dizer que a partir de 28 semanas, apesar de ainda ser considerado prematuro extremo, as chances de sobrevivência e sem sequelas são maiores.

Eu cheguei ao hospital com 26 semanas. Conseguimos aguardar em repouso por mais duas semanas, até que ele completou 28 e, após alterações nos exames, minha médica explicou que era hora dele nascer (tem post contando tudo aqui). Tenho certeza que esse tempo de espera internada no hospital e a experiência da minha médica somada ao timing em que ela percebeu que era melhor que ele saísse da barriga e ficasse bem na UTI, do que esperar mais alguns dias e a situação dele piorar muito, foi fundamental para a excelente evolução do Otto na UTI Neo e pós-alta.

Não sou médica e sempre falo que tudo que escrevo aqui é baseado em pesquisas e na minha experiência com Otto. Mas reuni algumas das principais dificuldades que os bebês podem encontrar após nascimento prematuro.

Por conta da imaturidade do pulmão, é comum que eles tenham dificuldade para respirar. Para o tratamento, eles são intubados ou recebem ventilação mecânica. Otto foi intubado durante cinco dias, depois ficou com o cateter de ventilação no nariz por bastante tempo até que retirou tudo e conseguiu respirar sozinho.

Problemas cardíacos e neurológicos também acontecem com os bebês pré-termo (não aconteceu com Otto, mas vi casos de outros bebês na UTI). Além de problemas imunológicos e intestinais – estes mais comuns nos prematuros tardios, nascidos entre 34 e 36 semanas.

Anemia e icterícia também podem acontecer. Otto teve icterícia e ficou no banho de luz por um ou dois dias; também recebeu transfusão de sangue por duas vezes.

Hemorragia intracraniana é muito comum e esperada em bebês prematuros. Otto teve essa hemorragia no grau 1, mas evoluiu muito bem; o próprio organismo reabsorveu rapidamente esse sangramento.

Não chega a ser um problema, mas algo que Otto demorou um pouco mais para evoluir foi na sucção e deglutição. Por conta disso, demorou a pegar o peito (tem post aqui). Mamou primeiro na mamadeira e fazíamos o estímulo no seio pouco a pouco até que ele se acostumasse e aprendesse.

Reuni as principais complicações e as que são mais comuns entre os prematuros, sempre traçando um paralelo com minha experiência com o Otto. O importante é que os pais se informem e sempre tirem todas as dúvidas com o pediatra de sua confiança. No caso do Otto, a pediatra é neonatologista (especialista em prematuros) e confiamos muito no trabalho dela. A evolução do Otto é admirável.

Espero que você tenha gostado do post e que ele te ajude alguma forma. Essa série de posts sobre prematuridade é para clarear as ideias de mães que, assim como eu, podem se encontrar numa situação de nascimento prematuro e não saberem nada sobre esse universo. Esses posts são para informar e mostrar o que você pode encontrar nessa jornada. E mais, para que não se sinta sozinha.

Deixe suas dúvidas ou comentários. É muito importante para que eu continue produzindo conteúdo de valor para vocês!

UTI Neo e equipe multidisciplinar: como funciona

UTI Neo 1

Esse post é para esclarecer como é o funcionamento de uma UTI Neonatal. Escrevo baseada na minha vivência enquanto Otto esteve internado e também em pesquisas que fiz para complementar as informações.

A UTI é composta basicamente por médicos, enfermeiras, auxiliares de enfermagem, fisioterapeutas, além dos profissionais que realizam as coletas de exames (também médicos, enfermeiros e auxiliares).

Médicos

No hospital onde Otto nasceu a equipe de médicos pediatras ficava de plantão cuidando dos bebês e diariamente, às 11h, eles conversavam com os pais que estivessem na sala para atualizar sobre a evolução, ganho de peso, aumento do volume de mamadas, resultados de exames e próximos passos, entre outros assuntos.

Enfermeiras Neonatais

Elas coordenam todo o atendimento aos bebês, sua rotina na UTI junto às auxiliares, realizam aplicações de vacinas e medicamentos mais complexos, como inserção do pic (uma espécie de cateter para evitar de furar o bebê a todo momento). São o contato diário mais próximo dos pais quando o médico não está disponível.

Auxiliares de enfermagem

São elas que cuidam, de fato, dos bebês diariamente: trocam fralda, dão mamadeira quando a mãe não está presente, trocam curativos, enfim. São o colinho de aconchego quando a mãe não está. Seu papel é muito importante tanto para o bebê quanto para a mãe. Eram elas que me passavam as informações que eu queria saber sobre o Otto de quando eu não estava lá.

Fisioterapeutas

Os bebês prematuros em geral têm o pulmão um pouco mais frágil do que os bebês nascidos a termo, por isso, não são incomuns problemas respiratórios. O papel dos fisioterapeutas é prevenir ou tratar essas questões através de fisioterapia respiratória. São eles que controlam a ventilação mecânica, uso de Cpap, sonda de oxigênio etc.

banho UTI Neo
Rotina diária: trocas, mamadas e banho

Quando Otto nasceu, por conta da prematuridade extrema, ao chegar na UTI ele ficou em protocolo de manutenção mínima. Isso quer dizer que a equipe só podia fazer qualquer procedimento a cada seis horas. Passado esse período mais delicado, ele entrou na rotina de troca de fraldas e alimentação a cada três horas. No início ele recebia o leite via sonda, depois mamadeira e estímulo no peito (tem post detalhado aqui).

A higiene começou a ser feita apenas com algodão e água morna, devido ao tamanho e baixo peso. Quando ele atingiu 1.700Kg, começou a tomar banho na “saladeira”, uma bacia pequena que fica dentro da incubadora mesmo. Só com 2 kg ele pôde tomar banho na banheira convencional.

Essa foi a estrutura que observei enquanto Otto esteve na UTI Neo. Espero que ajude a tirar dúvidas das mães que estão passando por isso e não sabem muito bem o que esperar.

Você achou esse post útil? Pode servir para alguém que você conhece? Então compartilhe nas suas redes! Deixe também um comentário, é muito importante para mim.