Mudança de comportamento: pandemia e o enxoval no Brasil

A chegada da maternidade é um momento muito feliz que envolve sonhos, vontade de ter tudo perfeitinho, do jeito que a mãe idealiza. Mexe com os sentimentos das gestantes.

Todo mundo sabe que as grávidas brasileiras sempre aproveitaram para viajar aos Estados Unidos e conferir a variedade de ofertas de roupas e outros produtos indispensáveis para o enxoval pelo menos nos primeiros anos do bebê. Além da grande oferta de produtos e de bons preços, há também a promessa de itens que não existem aqui no Brasil.

Eu mesma fiz enxoval fora e priorizei os produtos “diferentes” ou que não são fabricados aqui no Brasil. Mas, esse ano, com a chegada da pandemia, essa nova realidade obrigou muitas grávidas a mudarem seus planos e, impossibilitadas de viajar – até sabe Deus quando – elas estão tendo que se virar por aqui mesmo.

Além de não poder viajar, o dólar está nas alturas e aí vem a pergunta: vale a pena mesmo? Acredito que tudo varia do estilo de vida dos pais, orçamento, necessidades. Muitos casais aproveitam a viagem de férias ou usam como oportunidade de uma baby moon e unem o útil ao agradável.

Existe ainda a possibilidade de comprar através dos serviços de personal shopper de lá que redirecionam as compras aqui para o Brasil, mas ouvi dizer que com a alta do dólar + os impostos e taxas de importação não vale a pena.

Tenho acompanhado perfis de personal shopper nos Estados Unidos que atuam aqui também, além de influenciadoras grávidas, em fase de compras do enxoval, que afirmam que hoje o Brasil não fica atrás dos Estados Unidos em nada. Existem boas marcas, especialmente de roupas, com boa qualidade, preço honesto e bem aqui, no shopping mais próximo.

Acredito que ainda assim, muitas gestantes devem estar sentindo falta de poder viajar para fazer suas comprinhas enquanto esperam a chegada do bebê. Não que isso seja de grande importância num momento como o atual, mas como eu disse, maternidade envolve sonho. Enquanto tudo não se normaliza, vamos sonhar e esperar que tudo passe o quanto antes.

Enquanto isso, conta aqui pra mim, você está em fase de enxoval? Como tem sido?

Enxoval nos EUA – minhas impressões

IMG_3028
marido super animado com as comprinhas rs

Se tem uma coisa que achei difícil quando estava grávida, foi fazer a lista do enxoval. Marinheira de primeira viagem, não sabia bem o que comprar e quantidades. Fato é que tem algumas coisas que todo mundo acaba usando mesmo, mas tem muitos produtos que variam de mãe para mãe, da experiência e do estilo de vida de cada uma. É uma experiência muito particular de cada uma. Mas vou falar um pouco aqui sobre o meu enxoval. Vou especificar alguns itens e fazer um breve comentário sobre o que eu achei, se foi bom, ruim, se usei ou não.

Carrinho: comprei dois, tem post bem detalhado aqui. Ambos muito bons e com preço que compensou.

Car seat/ bebê conforto: escolhi um modelo que faz conjunto com o carrinho e foi a melhor coisa da vida. Ele encaixa no carro e também no carrinho. É ótimo para tirar o bebê do carro quando está dormindo, ou muito frio, é só desencaixar de um para o outro super rápido e prático. Mas usamos só até 1 ano, talvez dê para usar um pouquinho mais. Depois tive que trocar por outra cadeirinha fixa no carro.

bebê conforto 3

Cadeira de atividades: o modelo que eu escolhi é simples, ela vibra e faz alguns sons. Tem uns bichinhos em cima, tipo móbile, que super distrai a criança. Ela cumpriu bem o papel e não foi cara.

cadeira de atividades 3

Tapete de atividades: comprei dois, um deles é menor, e quando desmonta, fica dobradinho, super prático para viajar ou quando você vai para algum lugar e tem a possibilidade de abrir o tapete para deixar a criança.

tapete de atividades 2

Aparelho de esquentar mamadeira: usei bem pouco, apenas para esquentar o leite materno que eu tirava com a bombinha e não dava na hora; ele era armazenado na geladeira e na hora de dar a mamadeira dava uma aquecidinha apenas para tirar o gelo . Fiquei super empolgada com a “modernidade” e a praticidade de levar esse aparelho para todo lugar. Para quem dá mamadeira quente para o bebê, é uma mão na roda. Mas não foi o nosso caso, já que dou mamadeira em temperatura ambiente.

Assento tipo cadeirão: uso até hoje, nem tenho o cadeirão tradicional. Ele é para ser encaixado em uma cadeira normal para dar as refeições para o bebê. Acho super prático, e ele ainda desmonta, fica dobrado, compacto, bem fácil de levar para qualquer lugar.

assento

Nosefrida aspirador nasal: uma das melhores aquisições. É importantíssimo manter o nariz dos bebês sempre limpo. Nos primeiros meses, eles não sabem respirar pela boca, apenas pelo nariz, e qualquer sujeirinha atrapalha muito. Otto teve bastante refluxo e às vezes voltava leite pelo nariz tampando a respiração. O aspirador nasal vivia do nosso lado para qualquer susto desse.

Máquina de tirar leite: aqui está um item que é bem relativo. Pode ser muito usado ou não. No meu caso, foi meu marido que pegou no dia das compras, por indicação da vendedora, e eu usei muuuito. Quem me acompanha lá no Instagram deve ter visto que eu tirei muito leite. Como o Otto ficou internado, eu tirava no banco de leite do hospital, e quando chegava em casa continuava tirando. Quando ele teve alta, não pegou o peito logo de cara, então eu tirava e dava na mamadeira até ele acostumar com o peito. A minha máquina é super simples, tira apenas um lado por vez, mas ela cumpriu muito bem seu papel. Não lembro com certeza, mas foi algo em torno de US$ 20, bem mais barato do que as máquinas aqui no Brasil.

máquina de leite

Orajel Baby: esse gelzinho para colocar na gengiva durante o nascimento dos dentes – nunca perguntei para a pediatra se ela recomenda o uso – usei poucas vezes, mas senti que aliviou um pouco o incômodo.

Supositório fridababy: Otto tinha muitos gases. Usei esse supositório apenas uma vez em que ele estava com dor e não conseguia liberar. Mas achei que não fez muita diferença.

Sobre roupinhas

Já falei lá no Insta que comi essa bola de não ter comprado muitas roupinhas, já que priorizei outras coisas. Me arrependi, pois roupa lá vale muito a pena. Os preços são bons e as peças tem qualidade. Comprei bodies de até 18 meses (ainda não usados) e alguns conjuntos de 12 meses que comecei a usar agora. Mas se fosse hoje, eu priorizaria as roupas.

Mais dicas de enxoval nos EUA? O que vocês acham que vale a pena compra lá? Deixe aqui nos comentários!