Moda: a volta dos tamancos transparentes

Daquelas peças polêmicas que super fazem a gente pagar a língua, sabe? rs Sempre olhava e pensava: ok, não gosto muito. Mas aí fui me acostumando com o visual e me rendi a essa tendência.

Por ser transparente, ele suaviza o visual e pode ser a peça perfeita para arrematar aquele look protagonista mais chamativo sem brigar com a produção.

O bacana é que essa versão repaginada que estamos vendo agora veio com salto bloco, que dá altura e elegância, garantindo aquela postura mais chique, mas sem cansar, já que fica super confortável.

Separei alguns looks para dar ideia de como usar e no fim incluí alguns modelos que encontrei para comprar. O meu é da Zara.

Onde encontrar:

Renner

https://www.lojasrenner.com.br/p/-/A-552103016-br.lr?sku=552103024

Zara (modelo igual ao meu)

https://www.zara.com/br/en/share/vinyl-mules-with-methacrylate-heel-p12304510.html?utm_campaign=productShare&utm_medium=mobile_sharing_iOS&utm_source=red_social_movil&v1=86438918

Via Marte

https://www.stz.com.br/tamanco-via-marte-salto-grosso-tiras-vinil-rose-2015851-5153754-p1136134

C&A

https://www.cea.com.br/tamanco-feminino-oneself-salto-bloco-medio-com-tiras-em-vinil-bege-9973442-bege/p

Fotos: Instagram e Pinterest

Filme: Soul, lançamento da Disney

A nova animação da Disney Pixar, lançada recentemente, é daqueles filmes infantis que conversam muito mais com os adultos do que com os pequenos. Otto não piscou!

A história gira em torno de Joe Gardner, músico que trabalha como professor numa escola de música para adolescentes, mas sonha mesmo em tocar numa grande banda de jazz em Nova York.

Joe é aceito em um teste e tem a chance que ele tanto esperou na vida: tocar na principal banda de jazz da cidade. Porém, nesse grande dia, acontece um acidente que o leva para o pré-vida, um lugar onde as almas ganham personalidade antes de ir para a Terra. Lá, ele tem a oportunidade de fazer uma autoanálise e “revisar” sua vida.

Quando ele consegue tocar com a banda, mesmo tendo feito sucesso, ele sai de lá com a sensação de: “ah, então era isso?”, com certo desapontamento. E então ele ouve a história do peixe, que foi uma das que mais mexeu comigo:

O peixe foi até um ancião e disse: “Estou procurando um negócio, um tal de oceano.”

“O oceano?” O ancião falou. “Você está no oceano.”

“Isso?” Disse o peixe. “Isso aqui é água. O que eu quero é o oceano.”

Às vezes, passamos nossa vida esperando pelos grandes feitos, os acontecimentos incríveis, a ideia mirabolante, e esquecemos que a vida acontece todos os dias, nas menores coisas. E precisamos apreciar todas elas.

Temas como propósito, viver intensamente, viver o momento presente, conhecer sua missão de vida e aproveitar a jornada, sem esperar apenas pelo “grande dia”, “o final feliz” e encontrar a felicidade nos pequenos momentos diários são alguns abordados.

Já deu pra perceber o quanto eu gostei, né? Poderia ficar aqui escrevendo muito mais. Mas vou me limitar a dizer: assistam! Vale muito a pena!

5 looks de inspiração para o réveillon

Última semana do ano, e não qualquer ano. 2020 foi atípico, foi desafiador, foi transformador. E vai deixar marcas diferentes em cada um de nós.

Muitos vem esperando esse momento há muito tempo e agora está chegando a hora de nos despedirmos desse ano diferentão.

Mas não é porque foi um ano mais difícil que vamos sair dele assim, de qualquer jeito. A virada merece um look bacana independente de onde vamos passar.

Fiz uma seleção de 5 looks para inspirar. Tem curto, longo, mídi, pegada mais praiana ou cheia de brilho. E você, já escolheu o seu?

Fotos: Pinterest e Instagram

Lições de fim de ano

O ano está acabando e algumas pessoas já estão se preparando para as resoluções de fim de ano, momento em que escrevem tudo aquilo que não conseguiram realizar no ano que finda e tudo aquilo que esperam do próximo ano.

É uma prática de escrita terapêutica muito válida, afinal de contas é importante dedicar um tempo para imaginar os resultados que deseja, colocando intenção e sentimento. Isso ajuda muito na realização quando complementado com ação, é claro.

Mas eu quero chamar atenção para os sentimentos que são despertados quando pensamos naquilo que não conseguimos realizar, nos planos que fizemos no final do ano anterior e que por diversos motivos, não se concretizaram.

É importante que para cada um deles você encontre um aprendizado.

Olhe com atenção para cada um desses planos e entenda os “porquês” deles não terem acontecido. Quais foram as causas, o que aconteceu no seu ano que não teria acontecido se aquilo que você colocou no planejamento tivesse dado certo?

Caso esse mesmo desejo e plano entre para a lista do próximo ano, ter clareza do que não funcionou e do que precisará ser feito para que ele se realize é ter um mapa muito mais completo nas mãos.

Não é só repetir planos ano após ano, é entender os motivadores de cada um. É perceber se algum deles já não faz o menor sentido compor a sua lista e você continua repetindo ele e se sentindo improdutiva à toa.

Uma retrospectiva saudável não é aquela que só acessa os acontecimentos, mas que reflete sobre como eles agregaram, em resultado ou em aprendizado, crescimento.

O ano de 2020 trouxe muitos desafios, histórias de fracasso, medo, saudades. Mas cada uma dessas situações ensinou algo. É só saber procurar.

Inclua também no seu exercício de lições de fim de ano, coisas que aconteceram que não estavam na lista que você tinha feito.

Algumas coisas ficam para trás porque outras aparecem, mas se não estivermos atentas, deixamos passar. Lamentando apenas pelo que não deu certo.

O que cada um dos fracassos que você experimentou esse ano te ensinou?

Quais foram as suas conquistas, você comemorou todas elas?

O que os acontecimentos externos despertaram em você, tanto de bom como de ruim?

Os planos que não puderam ser concretizados devido os acontecimentos externos (pandemia, desemprego, isolamento) continuam sendo desejados? Como fazer com que eles sejam menos influenciados por fatores como esses?

Boas lições e resoluções de fim ano!

Luz e Sucesso!


Esse texto foi escrito por Flávia Gimenes, empreendedora, terapeuta, leader coach e advogada fundadora da Líder de Si Desenvolvimento e Evolução. Sigam no Instagram @liderdesi.de para acompanhar conteúdos enriquecedores sobre autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e liderança humanizada.

Fortaleça o músculo da empatia

Natal chegando, época de reunir a família, de encontrar os amigos, de confraternizar no trabalho, de comprar presentes, de viajar.

Época também de muita tristeza para aqueles que não têm família, para aqueles que perderam alguém da família recentemente, de estresse e correria para quem trabalha no comércio e varejo, para quem não terá condições financeiras para comemorar a data como gostariam.

O natal desperta um senso de união e colaboração, pessoas costumam apadrinhar crianças e fazer doações.

Momento propício para falarmos de empatia.

A Nova Era em que já estamos tem a empatia como uma necessidade escancarada (ouvi de muitos clientes esse ano o quanto gostariam que as pessoas tivessem empatia por eles) e como uma habilidade desejada, quando percebiam que também estavam sendo pouco empáticos com os outros.

Ser empático é ouvir para entender. É calar os julgamentos e enxergar aquilo da maneira que está acontecendo, pura e simples, sem nenhuma projeção.

Não é ouvir ou conhecer a dificuldade de alguém e pensar ou dizer o que você faria naquela situação. É validar os sentimentos e as limitações que aquela pessoa tem enquanto vive aquilo.

É ajudar, dentro das suas possibilidades, a amenizar as limitações da pessoa para enfrentar aquele problema e não resolver por ela.

Ser empático é não diminuir ou menosprezar a dor do outro.

Comecei esse texto falando de problemas considerados grandes, mas a empatia está sendo solicitada o tempo todo, nas pequenas coisas, conversas e relações.

Não é só no Natal que esse espírito da colaboração e compaixão tem que estar desperto em nós, o ano todo acontecem situações em que ele é necessário.

A empatia é um músculo que deve ser exercitado e fortalecido.

Não é difícil de entender como se faz, mas não é tão simples de praticar. Exige atenção plena, auto-observação, comprometimento consigo e com o próximo de construir uma sociedade melhor.

Eu quero ser empática e que sejam empáticos comigo. 

E você? 


Esse texto foi escrito por Flávia Gimenes, empreendedora, terapeuta, leader coach e advogada fundadora da Líder de Si Desenvolvimento e Evolução. Sigam no Instagram @liderdesi.de para acompanhar conteúdos enriquecedores sobre autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e liderança humanizada.