Lições de yoga – para dentro e fora do tapete

Respire

A primeira coisa que você aprende praticando yoga é respirar. Respirar fundo e na hora certa inspirar, expirar. Traz calma e consciência corporal.

Equilíbrio

Algumas posturas exigem mais equilíbrio (assim como algumas situações na vida). Você se concentra, foca, às vezes dá aquela balançadinha, mas que não deixa cair.

Flexibilidade

Talvez você não seja a pessoa mais flexível, mas com treino, tempo e persistência, vai ganhando espaço e, a cada respiração, conquista um pouquinho mais de flexibilidade.

Paciência

Algumas posturas não vão ser feitas logo na primeira vez. É preciso ser paciente para repetir até aperfeiçoar e conseguir.

Confiar no processo

Para chegar a algumas posturas específicas, existe uma ordem que é como um preparo, um aquecimento que vai preparar o seu corpo para chegar no objetivo final. Não adianta pular etapas, você precisa passar por todo o processo até estar preparado para chegar a tal pose.

Viver o momento presente

Aterrar, meditar, concentrar. São atitudes para estar no aqui e agora. Yoga propõe isso a cada asana: viver o momento presente.

Sobre se perder e se encontrar na maternidade

Senti que a maternidade nos rouba um pouco de nós mesmas. Com a chegada do filho, deixamos um pouco de lado quem costumávamos ser para abrir espaço a uma nova pessoa, uma mãe que nasceu.

Ainda que se tenha uma super rede de apoio, é atrás da mãe que a criança vai no banheiro, naqueles (supostos) únicos momentinhos de paz, é a mãe que leva a criança junto em todos os compromissos quando não tem com deixar e é a mãe que normalmente passa a maior parte do tempo cuidando, brincando e amparando.

No meio dessa rotina, em dias mais intensos em que passo o tempo todinho com meu filho, tem hora que pareço não escutar meus próprios pensamentos, tamanha energia e atenção demandadas.

Outro dia dei uma saidinha rápida enquanto ele estava na escola: fui até o laboratório tirar sangue (programão). Entrei no carro, liguei o som alto, sentindo o vento no rosto, fui pensando na vida, nos meus sentimentos… E me dei conta: essa sou eu novamente. Curtindo um momentinho que seja da individualidade que eu tanto prezo.

A maternidade tem dessas coisas. Mas à vezes é bom voltar a enxergar algo que tínhamos, era tão comum e que talvez não tenhamos dado a devida importância. Para, então, agora perceber o privilégio que é viver esse momento, ainda que só por alguns instantes e se sentir grata por isso…

Positividade tóxica

Recentemente essa expressão tem aparecido nas redes sociais e em conversas com amigos. Positividade tóxica é o excesso de positividade e boas energias que as pessoas vêm espalhando pelo mundo – real e virtual – ultimamente.

Dizem que ela exige que sejamos felizes e perfeitos o tempo todo nos tornando reféns. Discordo. A positividade, pra mim, é a capacidade que temos de enxergar o lado bom de cada situação, por pior que seja. É a maneira que encontramos para lidar com as adversidades.

Óbvio que não estamos bem e super alegres todos os dias e isso faz parte dos altos e baixos da vida – ou então ela seria sem graça demais. Mas ficamos bem e aprendemos a lidar melhor com situações desagradáveis por causa de / apesar desses dias ruins.

Hoje mesmo li uma frase: “Sem chuva nada cresce. Aprenda a abraçar as tempestades em sua vida.” Positividade pra mim é isso. Entender que não há perfeição, que existem dias cinzas e muita imperfeição por trás do filtro e do feed bonito do Instagram. Mas há beleza mesmo assim ou até por causa disso.

Ser positivo não é eliminar todo o resto e fechar os olhos para os problemas. Mas sim focar mais no positivo. É cientificamente comprovado que buscar o positivo traz vantagens tangíveis e não deve ser visto como otimismo infundado.

É encontrar oportunidades nas adversidades, mesmo quando tudo parece mostrar o contrário. E tudo bem não estar todo dia super feliz. A vulnerabilidade é o que nos torna mais humanos. Mas num mundo em que as notícias diárias já não são as melhores, eu prefiro enxergar com minhas lentes da positividade e pensar que não está tão bom, mas vai ficar melhor. E não acredito que uma visão assim possa intoxicar. E você, com qual lente quer enxergar?

O que você fala, seu cérebro acredita

Você sabia que o seu cérebro não distingue o que é real do imaginário?

Parece papo de maluca, mas não é não!

Os seus pensamentos geram sentimentos e influenciam as suas ações e comportamento fisiológico, prova disso é a nossa capacidade de sofrer por horas ou dias por uma situação ruim que durou apenas 10 minutos.

Faça um exercício agora. Lembre-se do dia mais feliz da sua vida com detalhes, você com certeza sentiu algo positivo e pode até mesmo ter soltado um sorriso involuntário. É assim, tudo o que você pensa e fala o seu cérebro entende como verdade e processa no momento presente.

Todas as frases que você repete com frequência são registradas no seu sistema e seu cérebro passa os dias ratificando essas mensagens. Por isso a importância de observar quais verdades você vem gravando no seu subconsciente.

Dias atrás observei em mim uma mania de repetir a frase “a vida não é fácil”. Que péssima verdade para registrar, não é mesmo? Pensa em como os meus sabotadores internos trabalham diariamente para ratificar essa dificuldade em viver.

Talvez você já deve ter identificado algumas verdades registradas no seu cérebro que atrapalham ao invés de alavancar seus projetos e rotina. Então, a dica de hoje é que você crie afirmações positivas para a substituição desses registros. Repita a si mesma seus mantras pessoais e não pare até que tenham sido devidamente registrados no seu subconsciente.

Qual foi o meu mantra positivo criado para substituir aquele?

“A minha vida é maravilhosa e tudo vem a mim com facilidade, alegria e glória.”

Que você seja capaz de dizer a si mesma somente verdades que te impulsionam.

Luz e Sucesso!!


Esse texto foi escrito por Flávia Gimenes, empreendedora, terapeura, leader coach e advogada fundadora da Líder de Si Desenvolvimento e Evolução. Sigam no Instagram @liderdesi.de para acompanhar conteúdos enriquecedores sobre autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e liderança humanizada.

A máscara é o nosso novo normal?

Já estamos há mais de dois meses em isolamento social por conta da pandemia de Covid- 19. Muita coisa mudou nesse pouco tempo, desde costumes em sociedade, como novos hábitos que foram inseridos em nossas vidas. Sem falar na montanha russa emocional que tudo isso tem causado em muita gente.

Primeiro, apenas os profissionais da saúde deviam usar a máscara – hábito em países asiáticos, mas visto com muito estranhamento pela nossa gente do lado de cá – depois, trabalhadores que tinham muito contato com público e pessoas doentes; hoje todos devemos usá-la, sem distinção.

Chegamos de viagem um dia após declarada a pandemia e ficamos em isolamento durante duas semanas (recomendação do governo para quem viesse do exterior). Nesses 15 dias não saí de casa para absolutamente nada, até que precisei sair. A porta do elevador abriu no térreo do prédio e havia duas mulheres e um homem de máscara esperando para entrar. Tomei aquele susto. Fui até a portaria e pude ver faixas de interdição no parquinho. Fiquei abalada e tive vontade de chorar.

Não porque eu fosse uma completa alienada que não sabia o que se passava no mundo lá fora. Mas uma coisa é você saber e acompanhar as notícias pela televisão e internet, outra é quando você vê pessoalmente e toma aquele choque de realidade. Foi triste.

Numa outra rara saída, precisei ir até a padaria. É uma padaria grande e badalada do bairro, sempre muito movimentada. O restaurante estava fechado e apagado, o balcão interditado e não são mais servidas refeições para comer lá, apenas para retirada. Funcionários de máscara e proteção de acrílico. Mais um baque.

Com o tempo a gente vai se acostumando, se adaptando, mas ainda assusta um pouco. Essa semana desci para buscar algo na portaria e encontrei no elevador uma vizinha que há muito não via. Ela – de máscara – perguntou como nós estávamos e disse que só estava saindo para levar a filha, uma bebê de 10 meses, ao pediatra. Conversamos rapidamente, mas deu para sentir o ar preocupado e um tanto chateado que ela transmitia por conta de toda essa situação (sinto que estamos todos um pouco assim). O elevador chegou e nos despedimos, ela deu tchau e nos desejou muita saúde. E é o que mais importa nesse momento.

No início do isolamento, vi uma conversa sobre o uso de máscara e a pergunta se as pessoas achavam que aquele seria um novo hábito que levaríamos dali pra frente, mesmo após a pandemia. Na ocasião respondi que não, mas hoje já estou convencida do contrário. Como tantas outras coisas que esse vírus veio nos mostrar, o uso de máscaras agora também vai ser essencial.

Assisti a uma live sobre mudança de hábitos durante a pandemia, e a antropóloga comentou que há muito tempo (se não me engano, era antes da gripe espanhola, mas agora não lembro o dado correto) era comum as pessoas tossirem por aí sem colocar a mão na boca, algo inimaginável hoje. Talvez usar máscara e álcool em gel daqui uns anos será como tossir com a mão na boca para nossa geração hoje. Veremos.

Tudo ainda está incerto. Não sabemos por quanto tempo ainda teremos que ficar isolados. Mas acredito que ainda que possamos voltar a sair com mais cautela e sem aglomerações, teremos que conviver com o fantasma da Covid-19 nos assombrando por um tempo enquanto não houver vacina ou tratamento que consiga conter o vírus. Enquanto nada disso acontece, ficamos quietinhos em casa, com nossa máscara no rosto e álcool em gel nas mãos.