Adeus, Apollo

Ela não era muito ligada em animais. Ele gostava e queria muito ter, mas faltou oportunidade. Quando completaram um ano de namoro, ele a encontrou. Resolveu dar um filhotinho de labrador como presente de comemoração.

Não precisou de muito esforço para convencer os envolvidos. Aquela bolinha gorda e peluda com olhar pidão conquistava até o mais duro dos seres humanos. Foi batizado Apollo, o deus do sol, apesar dos pelos pretos azulados de tão brilhantes.

A bolinha de pelos foi crescendo, aprontando trapalhadas como as do Marley no filme. Comeu porta de madeira, sapatos, rasgou sacos de lixo… mas era muito querido por todos.

O cachorro, que “deveria ser tratado como cachorro”, nas palavras dele e morar no quintal, passou a morar dentro de casa quando a sogra faleceu e o casal se mudou. Apollo, que a essa altura era membro muito querido da família, foi promovido e dormia dentro do quarto nos dias mais frios, quem diria.

Viveram juntos por vários anos. Viajaram, iam a parques, casa de amigos, era muito companheiro. Mudaram de casa novamente, chegou um bebê para disputar espaço com ele. Mas Apollo sempre foi resiliente, conhecia seu espaço, passou por todas as fases com muita elegância.

Quando o bebê chegou, ele já tinha certa idade, não mais o pique e energia inesgotáveis de filhote. Mesmo assim, aguentou pacientemente todos os abraços, puxões de orelha e mais algumas travessuras que aquela bolota humana fazia com ele.

Porque ele era assim: amável, carinhoso, sabia quando alguém estava triste e conseguia consolar apenas pelo olhar amoroso ou pela simples presença.

Doze anos se passaram. Aquela fortaleza agora não aguentava mais os longos passeios; a audição não era mais a mesma e ele passava boa parte do tempo dormindo.

Ela achava que ele ainda viveria uns bons anos, mas ele dizia que não. Apollo estava velhinho e logo chegaria sua hora de partir. Talvez ele soubesse que esse momento havia chegado, já que nas duas últimas noites dormiu no quarto do casal – algo que há muito tempo não fazia.

Naquela manhã de sábado não deu seu religioso passeio pelas ruas do bairro. Ela o abraçou, fez carinho, conversou, mas Apollo não respondia. Quando saíram de casa, ela sentiu que ele poderia não mais voltar. Aquela era a despedida.

Apollo foi passear no céu dos cachorros e deixou aqui memórias e aprendizados de uma vida inteira de muito amor que deu e recebeu. O amor mais puro, verdadeiro e incondicional que existe: o de um bichinho pelo seu dono. A dor da partida é grande demais. Mas fica toda honra e gratidão que eles sentiram por ter convivido com Apollo nessa vida.

Publicado por

Fabiola Mininel

Jornalista, mãe e apaixonada por moda

Deixe uma resposta