Quem você quer ser quando envelhecer?

Levando em consideração todas as mudanças que estamos experienciando enquanto sociedade e inclusive a expectativa de vida que está bem maior, essa é uma pergunta que todos nós devemos responder.

E não existe certo ou errado e sim aquilo que faz sentido para cada um de nós.

Temos visto muitas pessoas da terceira idade compondo times no mercado de trabalho e até mesmo se reinventando depois de deixá-lo, por ainda estarem capacitados para produzir. E essa, com certeza, será a nossa realidade um dia.

Te convido a refletir sobre isso, visualizar quem você deseja ser quando envelhecer. O que você deseja estar fazendo, quais as conquistas que farão parte da sua lista, quais atividades estará realizando e como estará aproveitando a fase.

Claro que esse planejamento pode mudar com os anos, mas, que estrada pegar se não soubermos para onde estamos indo, não é mesmo?

Mais que estratégico, esse planejamento deve ser orgânico. Um planejamento orgânico é aquele que considera as consequências que nossas escolhas causam nas pessoas que amamos e que são importantes para nós.

Assim como desejar uma vaga de emprego em outro país sem considerar a falta que sentirão de você e o efeito que deixar a sua mãe triste te causa, planejar a sua velhice sem considerar os sentimentos das pessoas a seu redor também pode ser prejudicial.

Ao descobrir quem você quer ser quando envelhecer, alinhando com a consideração dos efeitos que essas escolhas causam ao externo, você estará apta a traçar um plano com grandes chances de realização.

Lembre-se de tirar um tempo específico para essa projeção e, depois de criar seu mapa do futuro, voltar para o momento presente para entrar em ação. A vida acontece no agora e se manter projetada, só acarreta ansiedade.

Ouse sonhar grande. Além de dar o mesmo trabalho que sonhar pequeno, desafios baixos nunca motivam o suficiente para nos tirar da zona de conforto.

Que você seja uma realizadora até o último dia da sua vida!

Luz e Sucesso!


Esse texto foi escrito por Flávia Gimenes, empreendedora, terapeuta, leader coach e advogada fundadora da Líder de Si Desenvolvimento e Evolução. Sigam no Instagram @liderdesi.de para acompanhar conteúdos enriquecedores sobre autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e liderança humanizada.

Autoconhecimento salva

E não só aqueles que têm depressão, ansiedade, burnout ou qualquer outra doença emocional atestada.

O autoconhecimento salva:

Quem quer se relacionar melhor com as pessoas;

Quem quer ser autoconfiante;

Quem quer se descobrir profissionalmente;

Quem quer fazer escolhas mais assertivas;

Quem quer ganhar dinheiro;

Quem quer guardar dinheiro; 

Quem quer emagrecer; 

Quem quer gerir melhor o seu tempo;

Quem quer criar melhor os filhos;

Quem quer iniciar um projeto empacado;

Quem quer ser um melhor profissional;

Quem quer gerenciar melhor as emoções e os impulsos…

Essas e outras pessoas podem ser salvas pelo autoconhecimento, uma vez que não existe mudança sem ponto de partida e o ponto de partida da sua vida é você.

Você descobrir quem você é, como você está para então planejar o caminho que te leva aonde você quer chegar.

Se não estiver aberto para buscar ajuda profissional para desenvolver o autoconhecimento, a descoberta de si mesmo, leia livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal, assista vídeos sobre o tema, mas faça.

Gosto de dizer que adquirir autoconhecimento é como comprar uma caixa de ferramentas da vida, quanto mais você aprende sobre a caixa, melhor usa as ferramentas.

A caixa você já tem, mas será que conhece bem e sabe usar todas as ferramentas que tem dentro dela?

Descubra-se (salve-se)!

Luz e Sucesso!


Esse texto foi escrito por Flávia Gimenes, empreendedora, terapeuta, leader coach e advogada fundadora da Líder de Si Desenvolvimento e Evolução. Sigam no Instagram @liderdesi.de para acompanhar conteúdos enriquecedores sobre autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e liderança humanizada.

Meu bebê nasceu prematuro e vai receber alta. O que preciso saber?

O momento da alta de um bebê prematuro é acompanhado de sentimentos muito intensos e diversos por parte dos pais e familiares. Alegria, alívio, ansiedade, medo, cansaço são emoções frequentes para os pais dos bebês prematuros muito pequenos, que podem ter ficado internados por um tempo muito longo, 3 a 4 meses, ou até mais. É também um momento de muitas dúvidas.

A proximidade e o vínculo entre a família e a equipe cuidadora (neonatologistas, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, e outros profissionais), construídos no dia a dia, facilita a programação da alta, que começa a ser organizada com bastante antecedência.

São muitos os critérios para a alta de um prematuro, e uma família segura e preparada para levar seu bebê para casa é um deles, sendo tão importante quanto alcançar um peso mínimo seguro, por exemplo.

É muito interessante o que acontece com as famílias no decorrer da internação: elas vão, gradualmente, aprendendo a entender a complexidade dos cuidados de uma UTI Neonatal, recebem notícias boas, notícias ruins e continuam caminhando com a equipe. Dessa forma, seguem mais confiantes diante de tantos acontecimentos durante toda a internação. Até que chega o momento em que já participam dos cuidados de seus bebês, recebendo treinamentos diários pela equipe cuidadora, tudo já fazendo parte do preparo para a alta hospitalar.

Com a compreensão de que há critérios muito claros para a alta segura, os pais e toda família aprendem e entendem que todo o cuidado precisa continuar após a alta, e sua importância nesse processo, juntamente com a equipe de profissionais.

Estamos, então, no momento do Seguimento do Prematuro, que acontecerá nos consultórios ou ambulatórios de Pediatria, sob os cuidados do pediatra/neonatologista capacitado para este cuidado tão específico, que requer, obrigatoriamente, protocolos de acompanhamento, equipes multiprofissionais, exames laboratoriais e/ou de imagem.

Os bebês que nascem prematuros, especialmente os menores que 35 semanas e aqueles com peso inferior a 2500g, irão precisar de seguimento com atenção no seu crescimento e desenvolvimento; no calendário de vacinação. Já os menores que 1500g e/ ou <32 semanas precisarão ainda de avaliação especializada como:

– Oftalmologista infantil, para acompanhamento do desenvolvimento da visão, mesmo para os bebês que não tiveram a retinopatia da prematuridade como complicação;

– Fisioterapeuta e/ou terapeuta ocupacional, para ajudar nos marcos do desenvolvimento e atuar nos atrasos quando presentes;

– Fonoaudiólogo especialista em audição e linguagem para acompanhar o desenvolvimento da fala, intervindo se for o caso;

– Psicólogo, para o cuidado às famílias, bem como para realizar avaliações específicas do neurodesenvolvimento.

Outros especialistas poderão ser necessários dependendo das complicações que o bebê apresentou durante a internação.

Então, a nossa resposta para a pergunta que abre esse texto é:

“É fundamental que a família saiba que o acompanhamento do seu bebê pós alta é tão importante quanto foi a sua internação na UTI e que esse seguimento rigoroso, com pediatra capacitado e tantos outros profissionais, poderá fazer toda a diferença na qualidade de vida do seu bebê”.  

————————————————————————-

Esse texto foi escrito pela Dra. Juliana Bottino Navarro, pediatra e membro do Departamento Científico da Sociedade de Pediatria de São Paulo

Quem você seria sem os seus problemas?

Verdade seja dita, somos bem criativos quando o assunto é problema. Tanto na hora de criá-los, como para resolvê-los.

Já dizia Murilo Gun, criatividade é a arte de resolver problemas e que problema é tudo aquilo que precisamos para criar algo.

Parece complexo, mas não é!

Tudo que exige uma resolução é um problema, até mesmo eleger o cardápio do almoço.

Pense na sua vida sem os seus problemas, normal que o primeiro pensamento seja algo relacionado a uma vida perfeita.

E se eu te dissesse que você seria incapaz de viver sem eles, que não deixaria de criá-los?

É isso mesmo!

Nós precisamos dos problemas que criamos todos os dias para crescer, para conviver, para tornar mais divertida essa nossa aventura que é viver.

Te convido, a partir desse texto, a começar a enxergar seus problemas com mais carinho e escolher de maneira consciente por quanto tempo os quer na sua vida, ou seja, quando você vai resolver ou deixar de enxergar como um problema, se for taxado como irremediável.

O clichê “o que não tem remédio, remediado está” cai como uma luva aqui.

Se tem algum problema na sua vida que você não vê jeito para resolver, porque ele ainda é um problema para você?

Não seja masoquista e se obrigue a sofrer por isso, aprenda a conviver com aquilo que não vai mudar e comece a enxergar com outros olhos.

Quando estiver pronta para aceitar que é você mesmo quem cria os seus problemas, irá desfrutar de uma vida mais leve.

Luz e Sucesso!


Esse texto foi escrito por Flávia Gimenes, empreendedora, terapeuta, leader coach e advogada fundadora da Líder de Si Desenvolvimento e Evolução. Sigam no Instagram @liderdesi.de para acompanhar conteúdos enriquecedores sobre autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e liderança humanizada.

Beleza: resenha do secador Marula da Gama

Semana passada compartilhei no meu IG (@fabiolamininel) minha nova aquisição: um secador da Gama. Estava procurando um modelo bom, que fosse potente e me permitisse secar o cabelo mais rapidamente, já que o meu era antigo e estava me tomando muito tempo nessa tarefa tão simples.

Escolhi o modelo Marula, da Gama. O principal diferencial dele é que é auto bivolt, ou seja, ele se adapta automaticamente à tensão do local onde você está (ótimo para viagens, geralmente os hotéis oferecem, mas nem sempre são bons, e em muitas cidades e outros países a tensão é 220V). Depois, a potência. Dentre os modelos que eu vi, esse era o mais forte, com 2400W.

Sua descrição também diz que ele emite íons e óleo de marula, que é antioxidante e protege de danos os cabelos naturais e com química. Possui seis combinações de temperatura e duas velocidades, além de ar frio e cabo de seis metros.

O que eu achei

Estou usando na tomada 110V e o resultado já foi incrível. Sei que no 220V é ainda mais forte.

O jato de ar é bem forte e quente, mas não a ponto de queimar. Eu consigo secar meu cabelo todo em apenas 10 minutos. Eu demorava quase meia hora com meu secador antigo. Também não sei se é impressão, mas estava achando meu cabelo meio opaco, e agora parece que ele está com mais brilho e mais macio.

O meu objetivo principal era reduzir o tempo de secagem e ele foi atingido com sucesso, mesmo tendo muito cabelo (muito mesmo). O resultado macio e com brilho é bônus e eu já amei.

O preço dele é um pouco mais alto em comparação a modelos similares em potência, mas que não são bivolt. Paguei 399, mas achei que valeu super o investimento.